Posts

Onde, por que e como a realidade aumentada é utilizada no setor industrial mundial?

Pesquisa da PTC mostra rápida evolução do mercado de RA e como a Volkswagen, Boeing, Xerox, Lego, GE, Caterpillar e outras empresas utilizam a tecnologia

A PTC anuncia resultados da pesquisa de mercado State of Industrial Augmented Reality, realizada com empresas que já desenvolvem experiências de realidade aumentada (RA). A pesquisa destaca quais indústrias estão liderando implantações de RA, quais funções estão usando essa tecnologia e os tipos de valor gerado ao negócio. O relatório também explora os graus de sucesso que as empresas estão experimentando na implementação e onde estão na transição de pilotos para implantações de produção.

A pesquisa State of Industrial Augmented Reality teve a participação de executivos de todo o mundo, sendo 42% das Américas; 37% da Europa, Oriente Médio e África; e 21% da Ásia-Pacífico. A amostra representa uma mistura de empresas grandes, médias e pequenas. Quarenta e quatro por cento das empresas têm uma receita anual de mais de US $ 1 bilhão, enquanto 17% têm receita entre US $ 100 milhões e US $ 1 bilhão e 39% têm receita de menos de US $ 100 milhões. Os respondentes eram de vários tipos de indústrias, desde equipamentos industriais, aeroespacial, governo e defesa, automotivo e eletrônico, até software e serviços profissionais.

 

Valor potencial do mercado de RA

O valor potencial de realidade aumentada não é mais um segredo. Numerosos relatórios de analistas da indústria têm previsto um enorme crescimento para este mercado, principalmente por causa da crescente capacidade da RA de transformar fundamentalmente a maneira como as pessoas interagem com os mundos físico e digital.

O crescimento de coisas conectadas e conteúdo digital, juntamente com o amadurecimento do hardware de RA, está alimentando o surgimento de experiências cada vez mais poderosas. As projeções dos analistas para o crescimento do mercado de RA variam, no entanto. Por exemplo, relatórios da Digi-Capital, da ABI Research e da Markets and Markets estimaram que o mercado atingirá entre US $ 24 e US $ 83 bilhões até 2021.

A PTC levou estes números em consideração, juntamente com a sua própria pesquisa, e fez uma análise dos relatórios de mercado disponíveis e as percepções obtidas das conversas com milhares de empresas que testaram e implementaram RA. Com base nessa vasta quantidade de dados, a PTC estima que o gasto total com RA, incluindo hardware, software, e-Commerce, jogos e publicidade, crescerá atingindo US $ 63 bilhões até 2021.

Enquanto a RA irá desfrutar de um crescimento constante de receita, a PTC acredita que 2018 servirá como um ponto de inflexão para um aumento ainda maior do crescimento. Dirigindo isso, haverá um aumento significativo nas remessas de hardware, inicialmente impulsionadas por smartphones habilitados para RA, com os óculos inteligentes gerando uma parcela cada vez maior.

A empresa acredita que o mercado de hardware, por si só, continuará a amadurecer e crescer. Além disso, a pesquisa mostra que um grande número de implementações de pequenos pilotos fará a transição para ambientes de produção, uma vez que continuam a fornecer indicadores de desempenho positivos, alimentando ainda mais o crescimento do mercado.

Para permitir estas expectativas de mercado, a PTC considera tanto os investidores de capital de risco (VC) como as empresas, priorizando os avanços das tecnologias subjacentes relevantes. A maturação de tecnologias como câmeras com sensor de profundidade, mapeamento do ambiente físico e sistemas de baterias são fundamentais, pois a corrida continua a se aquecer para a primeira peça pronta para produção em massa de óculos de RA.

Em última análise, o poder da RA está apenas emergindo. Aplicativos de consumo populares, como Pokémon Go e Snapchat, com seu recurso Geofilter, moveram a RA para frente e para o centro em consciência pública e estão levando o crescimento futuro. De fato, relatórios da indústria estimam que em 2021 mais de 100 milhões de consumidores comprarão RA.

À medida que o software e hardware de RA continuam a amadurecer, vemos mais exemplos do notável potencial desta tecnologia para transformar a maneira como a informação digital pode ser entregue as pessoas de uma forma mais natural, poderosa e eficiente.

 

Quais indústrias estão adotando a realidade aumentada?

De acordo com dados da PTC, os fabricantes de produtos industriais (21%), automotivos (11%), aeroespacial e defesa (8%) estão liderando a adoção da RA, e um grande número de provedores de serviços de software emergiu para suportar essa demanda. Já existem exemplos emergindo em uma dúzia de diferentes tipos de indústrias, demonstrando a aplicabilidade horizontal desta tecnologia. Curiosamente, as indústrias fortemente impactadas pelas iniciativas de transformação digital e da Internet das Coisas (IoT) estão liderando a adoção da RA.

Por quê? Uma das principais razões é a capacidade da RA de servir como uma instrução avançada e ferramenta de orientação. Em setores que incluem processos muito complexos com centenas ou milhares de peças, configurações e procedimentos – onde pequenos erros ou desvios podem incorrer em custos substanciais ou causar sérios danos – essa capacidade pode fazer uma diferença significativa.

Combinando os recursos de instrução avançados da RA com a capacidade de visualizar dados, em tempo real, de máquinas conectadas e outros sistemas, técnicos e operadores podem reparar e manter máquinas com maior segurança, eficiência e custo-benefício. Muitos pioneiros em indústrias que envolvem processos complexos e de alta intensidade de capital, como produtos industriais, automotivos, eletrônicos, alta tecnologia, aeroespacial e defesa, estão apostando na RA para ajudá-los a obter benefícios como esses.

Ao implementar a RA para fornecer instruções avançadas à sua força de trabalho, esses fabricantes esperam aumentar a consistência e a produtividade da produção e, por fim, a vantagem competitiva em seus mercados.

À medida que surjam outros usos-chave bem-sucedidos de RA, mais e mais setores perceberão todo o potencial dessa tecnologia.

 

Onde a RA é usada?

O poder da tecnologia de RA para visualizar, instruir, orientar e melhorar as interações com as coisas físicas por meio de informações digitais está ajudando a reestruturar as atividades comerciais tradicionais, desde o design e a fabricação do produto até o serviço pós-venda.

Os dados da PTC mostram que há uma série de funções na empresa que já estão explorando a ampla aplicabilidade da RA para gerar valor. Dos respondentes da pesquisa, eles eram das seguintes funções: 19% de serviço, 18% de fabricação, 17% de design e 17% de vendas e marketing. Além disso, 14% eram operadores, seguidos por 13% que estavam em treinamento.

Como mencionado anteriormente, a RA pode servir como uma ferramenta avançada para fornecer informações em tempo real. Capacidades de RA semelhantes podem ser aplicadas a tarefas de montagem de fabricação, onde pequenos erros podem levar a um tempo de inatividade dispendioso.

Aqui, a capacidade de RA para fornecer monitoramento em tempo real e aumentar a eficácia geral do equipamento é vital. A RA amplia a eficácia das tecnologias de IoT que podem detectar e diagnosticar problemas antes que eles ocorram, fornecendo visibilidade para esses problemas, adicionando assim mais valor por meio de tarefas acionáveis. Equipando técnicos e operadores com RA, as empresas podem garantir que quaisquer problemas identificados sejam resolvidos corretamente pela primeira vez de forma eficiente e econômica.

A próxima área na empresa que está se beneficiando da RA é o design. Essa tecnologia pode alterar a própria definição de produtos, ampliando suas capacidades e transformando a forma como as pessoas interagem com o mundo ao seu redor. Por exemplo, a pesquisa indica que a Lego adicionou um novo campo de jogo digital ao seu jogo virtual medieval de fantasia Nexo Knights, que permite aos jogadores aumentarem o conteúdo diretamente em suas figuras.

Na indústria automotiva, os fabricantes de automóveis aprimoraram a experiência de seus clientes ao adicionar monitores dedicados aos veículos, permitindo que os motoristas interajam de forma mais intuitiva com os sistemas de informações digitais de seus carros. As empresas que estão explorando o potencial da RA estão fazendo isso em várias áreas de função e em várias disciplinas. Os dados mostram que as organizações estão testando a RA em uma média de duas funções separadas, com uma média de 4,7 aplicativos em toda a empresa.

A execução deste nível de experiências da RA em toda a empresa requer uma estratégia de conteúdo escalonável. Embora o nível de investimento no conteúdo requerido dependa do tipo de aplicação e dos casos de uso visados, o desenvolvimento de conteúdo específico para cada experiência de RA exigirá investimentos maciços em tempo e recursos, e, finalmente, revelar-se insustentável para adoção generalizada.

Para resolver esses problemas de escalabilidade, as organizações precisarão reaproveitar seu conteúdo digital existente – incluindo modelos de CAD (computer-aided design), informações de serviço técnico e dados de IoT em tempo real – para servir como base das experiências de RA. Para muitas iniciativas de transformação digital existentes o gerenciamento do ciclo de vida do produto e a IoT, podem servir como uma fonte para fornecer a base crítica do conteúdo necessário para as experiências de RA. A pesquisa também indica que a alavancagem de uma plataforma de autoria RA permite que as empresas desenvolvam e implementem rapidamente múltiplas experiências de RA e casos de uso ao longo do tempo.

 

Como a realidade aumentada é usada?

Embora existam oportunidades para aplicar a RA em toda a cadeia de valor, as organizações precisam entender os requisitos de cada experiência para uma implementação bem-sucedida. Tal como acontece com outras tecnologias emergentes, os casos de uso que criam o maior valor nem sempre podem ser atingidos hoje devido a limitações técnicas. É importante que uma organização avalie os requisitos organizacionais associados a um determinado caso de uso ao estabelecer um roadmap de RA.

Como mencionado anteriormente, uma das aplicações mais populares de RA é a instrução avançada e a orientação. Os primeiros que adotaram em serviços e manufatura estão usando RA para permitir que os operadores tenham um passo a passo das instruções para manutenção e procedimentos de serviço. De fato, três dos quatro principais casos de uso se concentraram em melhorar a disseminação e o consumo de instruções.

Como exemplo do que é possível, a GE criou uma experiência de RA em que técnicos de suporte podem ver dados de manutenção e alertas do sistema Predix IoT que indicam quais procedimentos são necessários e como realizá-los. Nessa experiência de RA, dados de maquinário, juntamente com outras fontes externas de informações de sistemas corporativos, como modelos CAD e histórico de serviço, além de instruções de serviço, são agregadas e compiladas para cada ativo específico.

Essa solução também incorpora dados de sistemas de gerenciamento de ativos, sistemas de histórico de serviços e bancos de dados de fornecedores. O técnico de serviço seleciona o procedimento necessário e segue as instruções aprimoradas para conduzir um serviço de alta qualidade.

Aplicativos como esses permitem que as empresas aprimorem as métricas de serviços vitais, como as taxas fixas iniciais e o tempo médio de resolução.

Na área de design, os engenheiros de projeto de produto estão usando a RA para visualizar desenhos digitais em 3D no ambiente físico. Para os pesquisados, esse tipo de aplicação da tecnologia de RA geralmente aprimora as revisões de projeto e permite sessões colaborativas de revisão de design para equipes globais. Em vendas e marketing, as empresas estão aproveitando a RA para estender os meios pelos quais os clientes experimentam produtos com parceiros de produtos virtuais e demonstrações interativas.

 

Por que as empresas estão buscando uma estratégia de RA?

A partir dessa pesquisa, é possível ver que a realidade aumentada passou oficialmente do estágio “WOW factor”, que é frequentemente associado a novas tecnologias. À medida que o mercado de RA continua a ganhar força, o risco de investimento diminuiu, tornando-a uma aposta segura. Como tal, o investimento em tecnologias subjacentes, como câmeras de detecção de profundidade e algoritmos de visão computacional, continuam a crescer, ajudando a acelerar a adoção de tecnologias de RA. Gigantes da indústria, como a Apple, agora veem a RA como uma tecnologia central e empresas como a Microsoft continuam investindo bilhões em seu hardware de RA para impulsionar a futura adoção.

Os resultados de negócios buscados também destacam uma ampla variedade de oportunidades, como maior qualidade de fabricação, maior receita de vendas e ciclos de desenvolvimento mais curtos. Os fabricantes estão aproveitando as instruções de trabalho de montagem para melhorar a qualidade do produto. Ao fornecer aos trabalhadores instruções de montagem e inspeções dinâmicas, em tempo real, eles podem reduzir o tempo necessário para que os funcionários executem tarefas e diminuam o número de erros e defeitos no processo de produção.

Empresas como a IKEA, a Lego e a Lowes estão aproveitando soluções de produtos aprimorados para melhorar a confiança do cliente e impactar positivamente na decisão de compra, impulsionando o crescimento da receita de vendas.

Em funções de manutenção, as empresas estão explorando RA como meio de permitir a telepresença dinâmica com especialistas remotos, reduzindo o número de pessoas necessárias no local para executar o serviço. Por exemplo, a Caterpillar está explorando o uso de RA para fornecer aos técnicos de campo uma experiência remota. Eles podem compartilhar uma transmissão de vídeo ao vivo, de seu entorno imediato, e se comunicar em tempo real com um especialista no escritório, que fornece instruções passo a passo. Por fim, ao implantar a RA, a Caterpillar pode centralizar sua expertise, enquanto melhora suas métricas de serviços vitais.

Em engenharia, as equipes de desenvolvimento podem agora analisar com mais eficiência as alterações de projeto e colaborar remotamente. Isso está reduzindo drasticamente o tempo necessário para os ciclos de desenvolvimento. A Volkswagen está usando RA para revisão de design digital durante o processo de inspeção do protótipo. Ao usar RA, a empresa pode projetar dados de projeto, como os chicotes elétricos, diretamente em carros existentes e protótipos, garantindo que o protótipo físico corresponda ao design digital. Isso permite que os projetistas da Volkswagen validem as mudanças em menos de um minuto, um processo que anteriormente levava de 5 a 10 minutos.

Em recursos humanos, o treinamento de funcionários em procedimentos de trabalho complexos pode ser extremamente demorado. A Boeing está usando RA para melhorar as práticas tradicionais de treinamento e já reduziu em quatro vezes o tempo necessário para treinar um funcionário na montagem de portas de aeronaves.

Por fim, no mercado atual, os produtos são cada vez mais entregues como serviços por meio de assinaturas, como energia elétrica por hora. O sucesso do cliente é fundamental, e as pessoas estão exigindo cada vez mais dedicação ao sucesso com os produtos. Para atender a essa crescente demanda por um melhor atendimento, a Xerox está alavancando a RA para oferecer experiência e orientação remotas tanto para seus próprios engenheiros de campo quanto para seus clientes.

 

Qual hardware é usado com experiências de RA?

O conceito de realidade aumentada existe há décadas, mas a tecnologia de hardware necessária para implantá-lo em escala, em toda a empresa está emergindo agora. O hardware preferencial necessário para implantar uma experiência de RA é amplamente dependente do caso de uso. Por exemplo, óculos digitais são ideais para casos de uso de manufatura e serviços que exigem operação sem as mãos. Por outro lado, os casos de uso de vendas e marketing dependem da onipresença de smartphones e tablets.

Atualmente, os dados mostram que a maioria das empresas está explorando o uso de smartphones e tablets para implantar experiências de RA, provavelmente porque são ferramentas que as pessoas já possuem. Há, no entanto, um interesse crescente em displays montados na cabeça, já que mais de 30% dos entrevistados na pesquisa estão experimentando óculos digitais.

A PTC acredita que restrições como maturidade tecnológica e custos proibitivos são os principais obstáculos à adoção generalizada. Embora os casos de uso em funções de serviço e manufatura tenham mostrado oferecer o maior potencial de ROI, eles também dependem das mãos do técnico para oferecer valor.

Por causa disso, empresas como Microsoft, RealWear, Vuzix e Osterhaut Design Group estão investindo recursos significativos no avanço de óculos digitais, focados na melhoria de requisitos críticos, como vida útil da bateria, conectividade, campo de visão e métodos de interação. Os avanços nessas tecnologias-chave afetarão drasticamente os problemas atuais de custo e usabilidade associados aos óculos inteligentes.

 

Quando as empresas mudam da POC para a produção?

Como é frequentemente o caso com as tecnologias emergentes, muitos projetos de RA ainda estão no estágio de prova de conceito (POC) para a maioria das empresas. No entanto, 85% dos entrevistados já haviam concluído ou estavam em vias de concluir com êxito suas POCs e fazer a transição para um ambiente de produção. Quarenta e oito por cento dessas empresas têm planos de fazer a transição de seus pilotos nos próximos 12 meses, enquanto outros 26% conseguirão fazê-lo dentro de dois anos.

Esses planos de transição sinalizam um aumento significativo na aceleração da adoção da RA no futuro próximo. Existem dois fatores-chave que impulsionam essa aceleração: a capacidade das POCs de demonstrar o ROI e a melhoria contínua do hardware de RA.

À medida que os pilotos avançam em direção à produção e os primeiros adotantes começam a colher eficiência substancial e vantagens competitivas a partir de suas iniciativas de AR, as empresas não terão outra escolha senão adotar a nova tecnologia. Simultaneamente, a maturidade do hardware subjacente aumentará a viabilidade dos casos de uso de RA em ambientes industriais e levará a experiências mais fortes e mais valiosas. Combinados, esses dois fatores ajudarão a RA a alcançar seu incrível potencial.

 

Conclusão

Para muitas das empresas pesquisadas para esta análise, a RA já está se tornando um componente crítico de sua transformação digital geral. De fato, um entrevistado chamou a RA de “estratégia de sobrevivência”, observando que sua adoção não é uma opção para a empresa. Outro observou que os casos de uso atuais estão abordando como a organização do respondente pode aumentar a receita de vendas e acelerar os hábitos de compra de seus clientes em potencial.

Ao incorporar a realidade aumentada em sua estratégia, as empresas já estão lucrando com serviços aprimorados, melhores experiências e operações do cliente e maior qualidade de engenharia e fabricação.

À medida que as tecnologias, os modelos de negócios e o apetite por tecnologias de RA continuarem a amadurecer, certamente haverá sucessos adicionais na adoção do caso de uso de RA. Tendências atuais indicam o seguinte:

– Empresas nos setores industrial, automotivo. aeroespacial e defesa estão liderando o caminho na adoção inicial da RA;
– A RA tem ampla aplicabilidade a todas as funções da cadeia de valor e, especialmente, serviço e fabricação;
– A aplicação da Realidade Aumentada para servir como uma poderosa ferramenta de instrução e orientação está fornecendo um ponto de entrada para muitas organizações, especialmente aquelas que são definidas por centenas de processos vitais;
– A adoção da RA está chegando a um ponto crítico, impulsionado por investimentos maciços nas tecnologias de hardware e software subjacentes que permitem uma transição rápida de projetos piloto para ambientes de produção completos.

Fonte: www.itforum365.com.br